quarta-feira, julho 28, 2010

Desligar-se às vezes é importante. Você passa a perceber a falta ou 'não-falta' que cada um faz. Essa falta é relativa, quando as pessoas realmente se importam conosco, elas não nos deixam desligar de vez. Sempre, de jeitinho bem sutil, nos trazem de volta à superfície e nos salvam de nós mesmos... Nesse interior confuso que eu vivo e nesse exterior que com frequencia me sufoca, sinto-me um tanto quanto desligada, abandonada. Criaturazinha carente,viu? Mas minha carência não é saciável. Não... Ela é diferente. Sinto mais pelas coisas que deixaram de acontecer, que nunca vão acontecer, ou que eu presumo que serão inevitáveis, do que pelas coisas que realmente acontecem. Choro pelo o que não vivi, me dói sonhar com o que nunca vou sentir e me preocupo... Preocupo-me tanto com o que claramente sei que vai acontecer mais hora ou menos hora, porque estou vendo que aos poucos, a sutileza de quem me resgatava de mim mesma está se tornando cada vez mais sutil, quase imperceptível.
Ai de mim quando realmente nada mais existir... Quando eu for esquecida num cantinho qualquer do seu pensamento e virar apenas uma boa lembrança. Pelo menos você vai sorrir, e tomara que pense em como poderíamos ter sido, porque tenha certeza de que estarei pensando nisso... Todos os dias.

(Câmbio, desligo. )

5 comentários:

  1. Oi, Bia! Há qto tempo não há vejo!
    Realmente é bom que nos desliguemos um pouco de algumas coisas... Para nos centrarmos em outras...
    Lindo texto!
    Beijão!

    ResponderExcluir
  2. Lágrimas de Areia

    Lá estava ela, triste e taciturna.
    Testemunha de efêmeros conflitos,
    Com um olhar perdido no tempo,
    Não exigia nada em troca
    A não ser um pouco de atenção.

    Sentia-se solitária, oca,
    Os homens admiravam-na pelos seus dotes.
    As crianças, em sua eterna plenitude,
    Admiravam-na muito mais além...
    ... Mais humana!

    De sua profunda melancolia
    Lágrimas surgiram.
    Elas não umedeceram o seu rosto,
    Mas secaram o seu coração,
    O poço da alma,
    Aumentando cada vez mais
    A sua sede.

    Lá ela permaneceu; estática, paralisada!
    Esperando que o vento do norte a levasse
    Para bem longe dali!

    O dia começou a desfalecer.
    Seu coração, outrora seco e vazio,
    Agora pulsava em desenfreada arritmia.
    Desespero!
    A maré estava subindo...

    Em breve voltaria a ser o que era:
    Um simples grão de areia.
    Quiçá um dia levado pelo vento,
    Quiçá um dia... Em um porto seguro.


    Do livro (O Anjo e a Tempestade) de Agamenon Troyan

    ResponderExcluir
  3. Perfeito o texto Bia, você escreve muito bem! Ele diz tudo o que estou sentindo no momento. Estou me desligando, porque as vezes é mesmo preciso, as vezes a gente tem que se desligar para conseguir voltar mais forte à superfície.

    ResponderExcluir